quinta-feira, fevereiro 02, 2006

LARANJA SEM VITAMINA


Marques Mendes veio falar de um Programa de apoio à integração dos jovens licenciados. É daquelas ideias que à partida parecem simpáticas e que o PC (politicamente correcto) adora. Mas convém fazer algumas perguntas.

Não seriam esses os que à partida teriam mais facilidade em integrar-se no mercado de trabalho. Porque são qualificados e porque são jovens?

Não são as nossas Universidades e os nossos Politécnicos garantes de uma boa qualificação?

Estas perguntas são as óbvias, mas há mais…

Existe algum programa para integração no mercado de trabalho para jovens não licenciados?

Existe algum programa de apoio à formação de quadros médios?

Existem fortes incentivos à iniciativa empresarial dos jovens?

Pois é, são várias perguntas mas todas têm resposta.

Num país normal os jovens qualificados são os que menos dificuldades têm em entrar no mercado de trabalho. Então Portugal não é, neste aspecto, um país normal. Há que caminhar para a normalidade e não encobrir a anormalidade.

As nossas Universidades e Politécnicos têm ainda muitas dificuldades quanto à competitividade dos graus que atribuem. Falta implementar Bolonha e falta articulação com as empresas, por exemplo. É nesse sentido que tem de se manifestar a oposição.

Não há Programas para a integração no mercado de trabalho de jovens não licenciados, independentemente de estes terem outras qualificações úteis e importantes. É pelo reconhecimento de capacidades e pela qualificação dos não licenciadados que a oposição tem de lutar.

Continua a haver uma cultura de menorização da qualificação média, o que impediu muitos licenciados com insucesso de serem quadros médios de sucesso. É pela dignificação do ensino médio que a oposição de lutar.

Não existem verdadeiros incentivos à iniciativa empresarial dos jovens e isso revela a ignorância de que novos empregos só podem ser criados se houver novas empresas, de preferência com novos e ambiciosos projectos.

Em suma, esta proposta de Marques Mendes vem no pior sentido da oposição a um governo socialista. Não resolve os problemas e tenta encobrir os seus resultados. É uma oposição sem vitamina.

-JA-

2 Comments:

Blogger João Pedro Gomes said...

Concordo na generalidade com a tua análise e com o enquadramento que fazes da questão. De facto, Portugal não é um país normal na integração de jovens qualificados no mercado de trabalho. Mas, no entanto, considero que urge fazer algo para inverter essa situação. O tão apregoado "mérito" de nada vale num país de "cunhas" e "tachos". E este, pelo menos, é uma medida, entendo que má não será mas que poderia efectivamente ser melhor. No entanto, julgo que por algum lado se tem de começar, e esta poderá, apesar de social-democrata, ser uma medida com alguma razoabilidade e aplicabibilidade.

12:21 da tarde  
Blogger David Ramos Martins said...

MUITO BEM !!!

Até que enfim que alguém defende uma causa a que sou particularmente sensivel e que está aos olhos de todos!

Choca-me de facto que com cerca de 500 000 desempregados inscritos no IFP, onde a minoria deles é que são licenciados, venham propagandear estas medidas que - não digo que não seja boas - não são é as mais urgentes.

Nem todos têm de ser licenciados e numa sociedade todos são necessários, ser não licenciado não é menos digno.

Num estudo que fiz à pouco tempo sobre desempegro e exclusão social, descobri que os mais afectados com o desemprego de longo prazo, e com o desemprego em geral, são os cidadãos com média idade e com poucas qualificações. Esses é que estão mais vulneráveis pois não estão em "idade escolar" e os empregadores não lhe dão formação. Vão engordando a estatistica.
Aqui faço uma articulação com o que foi dito pelo João Almeida, não são os licenciados os mais bem cotados m mercado? - São pelo menos os que reunem maior empregabilidade! Não são o "elo mais fraco"!

O sistema escolar também não promove a qualificação de que o nosso país carece (qualificação média) falta Bolonha e falta acima de tudo dar a conhecer as outras vias que não a licenciatura.

É engraçado que o Bill Gates não falou em licenciaturas mas todos lhe bateram palmas... E esta hein?

Urgente é olhar para a sociedade como um todo e parar com a demagogia reles e o populismo.

Por ultimo, o meu muito grande elogio ao JA - É com este tipo de causas que vamos desmistificando o estereotipo de "elite social" que temos!

2:09 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home